Violet | Violeta

Violet | Violeta

Bandeira da Grã-Bretanha Violet Peafowl 

This variety originated in Europe, more precisely in Bavaria. The first sample was found by Lorenz Husterer, a German breeder. On a visit of a breeder, he found in a group of blue peafowls a unique sample that caught his attention. The breeder gave that same peafowl to Lorenz and, once inside his house, Lorenz worked on fixing this fabulous color. They are very much alike the Purple variety which was isolated in the United States, but with significant differences to a keen observer.

In the Violet males, the color of both neck and tail remains violet when exposed to the sun and when it is not, the same does not happen in the Purple variety in which in the shadow the color of the feathers of its neck is practically the same as the color of a blue peafowl, however, in the sun, they reflect that unique purple. The colors of the remain plumage are much alike, being important to mention that either in the violet variety or in the purple variety, the wings in the wild pattern variety (barred rings), the stripped pattern is brown and not black as in the blue peafowl. On the tails of both, the plumage is that in the beginning of the change was green with metallic reflections, with the sun exposure, turns brown, meaning that the tail of these two peafowls that by the beginning of the breeding season was green and violet or purple, respectively, at the end of it had turned brown and violet or purple. We can still say that in the violet variety the brown plumage is softer than in the purple variety. We can look at some images of a Violet male and a Purple male.

Regarding the females, they are brown similar to the Cameo females.

The violet females do not have plumage with metallic reflections on their necks nor on the top of their heads. See the image.

The purple females show metallic reflections of green in the shadow and purple in the sun on the neck and on the top of the head.

 

Resultado de imagem para bandeira de portugal Violeta

Esta variedade teve origem na Europa, mais precisamente na Bavieria. O primeiro exemplar foi encontrado por Lorenz Husterer, um criador Alemão. Numa visita a um criador, encontrou num grupo de pavões azuis um exemplar distinto e que lhe despertou mais atenção. O criador cedeu ao Lorenz o pavão e, uma vez em sua casa, Lorenz fez o trabalho de fixar esta cor fabulosa. São semelhantes à variedade Purpura que foi isolada nos Estados Unidos, mas com diferenças significativas para um observador atento.

Nos machos Violeta, a cor no pescoço e cauda permanece violeta ao sol e na sombra, o mesmo não acontece na variedade purpura em que na sombra a cor das penas do pescoço é praticamente igual à de um pavão azul, contudo, ao sol, refletem a cor purpura única e inesperada de tão bonita. As cores da restante plumagem são em muito semelhantes, a salientar que tanto na variedade violeta como na purpura, as asas na variedade com o padrão selvagem (hombros barrados), o barrado é castanho e não preto como no pavão azul. Nas caudas de ambas as variedades, a plumagem que no início da muda se apresenta verde com reflexos metálicos, com a exposição ao sol, vai-se tornando castanha, quer isto dizer que a cauda dos pavões destas duas variedades que no início do período de reprodução é verde e violeta ou purpura, respetivamente, no final da temporada de criação é castanha e violeta ou purpura. Podemos ainda dizer que, na variedade Violeta, a plumagem castanha é ligeiramente mais clara do que na variedade Púrpura.

Apresentamos imagens de um macho Violeta e de um macho Purpura.

Em relação às fêmeas, são castanhas, semelhantes às fêmeas Cameo.

As fêmeas violeta não têm plumagem com reflexos metálicos no pescoço nem no topo da cabeça. Ver Imagem.

As fêmeas Purpura apresentam reflexos metálicos esverdeados à sombra e purpura ao sol tanto no pescoço como no topo da cabeça.