Prussian Blue | Azul da Prússia

azul-prussia
azul-prussia
Prussian Blue
Prussian Blue

Origin of the Prussian Blue Peafowl

 In the year of 2008, Cezar Gomes, dentist and ornamental birds’ breeder, acquired in our peafowl exploration, Quintal Pavos, a couple of Cameo peafowls and another of Bronze Cream, both at the age of 1. When they turned 2, by coincidence, one peafowl of each couple died unexpectedly, and a Bronze Cream male and a Cameo female were the only animals we could keep alive. This all happened in the start of the breeding season in 2010 and, in this circumstances, Cezar Gomes, considering that phenotypically, both of each examples of peafowls had a couple of similarities in their color, decided to mate the Bronze Cream male with the Cameo female. In image 1, we can observe an example of a Bronze Cream male and a Cameo female.

   In their first year of breeding, the peafowl couple with only 2 years old hatched 3 eggs that gave life to one male and two females.

Phenotypically, the newborn peafowls were very similar to the Blue Peafowl offspring, but looking at the young peacock, image 2, after two months, it turned evident a different dark tone over its neck. As for the females, we could not find any phenotypical traits that allowed us to distinguish them, in fact, from a Blue Peahen female. Once again, this breeding allowed us to underline the acknowledgement that the color Bronze Cream was not linked to the male chromosome, as the Cameo, Purple, Violet and Peach, because in that case all newborn females, between the Bronze Cream male and the Cameo female, would have to be Bronze Cream and that did not happen.

      Whilst the three offspring grew old, we noticed that the male peafowl began to show a different color tone from a common blue peafowl not only over its neck, but now all over its tail and wings (visibly darker) too.

In the breeding season of the year 2012, this male together with the two females gave life to another male and three females. The two months old male, by the time I visited Cezar Gomes once more, already showed a different color tone very similar to its progenitor. The three females, like their progenitors, were similar to the Blue Peafowl females. It was the year of 2012 when we got our first peafowls from the female adult of the original trio and from the male born in 2012.

It is also important to mention that we are not sure about the origin of the Bronze Cream peafowls. Until now, we did not find any publications about the origin of these birds which, for the past years, since 1998 at the least, are found in Europe. The first examples of the Bronze Cream peafowl were brought to Portugal in 2005, by a bird transporter. From image 3, we can observe a Bronze Cream couple. These examples were exactly, the first ones that were brought to Portugal.

The only thing we can confirm, considering our breeding experience on this variety, is that the color is not linked to the male chromosome.

Other two situations we were facing here were, firstly, the fact of such peafowl, being the first example for this species, son of a Cameo female, we could believe that by breeding it would also originate Cameo females, because the color Cameo is knowingly linked to the male chromosome and, therefore, the male should have received the gene from its progenitor and then pass it on to its own descendance. Secondly, the fact of the first trio of peafowls of this new variety would conceive a Bronze Cream offspring, since its progenitor was also Bronze Cream, a color also considered recessive.

Until now, with 6 generations bred already, it never emerged a Bronze Cream offspring, not even Cameos after the crossbreeding between Prussian Blues.

From image. 4, we can see a couple of Prussian Blues with a feathering pattern like the wild strain, stripped and browned.

The development of the offspring’s have been watched very closely. From the beginning, we also watched with some hope the development of the peafowl’s tail, borned in 2010 that would be more exuberate, as it is a characteristic in an offspring with three years old. From Img. 5, we can see the first offspring from the original trio, in 2012.

From 2010 to 2019, we continue to keep this variety which every year conceives descendants that look alike to their progenitors.

In 2014, we started to work on the introduction of the Black Wing pattern in the Prussian Blue color. The first Prussian Blue Black Wing couple was born in 2016 and started its first breeding season in 2018 and, for the second time this year.

After the observation of these birds, it seemed from the beginning something similar to a variety that originated in the USA, the Midnight peafowl. For this reason, we talked to many different experienced breeders, members of the United Peafowl Association that confirmed that these examples, in spite of the similarities with the Midnight variety, they have distinctive traits, which is perfectly explainable, since they have very different roots.

In these circumstances, we felt the necessity to characterize these animals regarding their color, for when we refer to these peafowls, we can do it correctly and prevent from pronouncing improperly the name of a variety they do not belong.

We decided to send pictures and plumage samples of these animals to a color specialist in order to classify them. From this job, orchestrated by Dra. Patrícia Noronha da Costa, resulted a name we now give to all birds with these phenotypical traits, (based on examples from our exploration, Quintal Pavos, in Portugal): the Prussian Blue Peafowl.

    It is satisfying to know that Quintal Pavos in an open collaboration with all our friends we will continue to do our jobs on breeding and preserving the distinct peafowl varieties. Nowadays, we have Prussian Blue examples distributed over three breeders, and they are fundamental for their preservation. The introduction of the Black Wing pattern’s gene also allowed us to reduce the risks associated with consanguinity, which in a way, benefits a healthy preservation of these examples.

Nowadays, there are, with the wild pattern, 5 males and 4 females, and, with the Black Wing pattern, 5 males and 3 females. The breeding of 2019 is not included in this score.

The passion we have for these animals, for all these years, already allowed us to jump on a work that gave life to the Raw Umber variety, which is starting to be recognized worldwide, and now for the Prussian Blue Peafowl.

I thank the Cezar Gomes breeder for sharing with me what happened on his breeding in the year of 2010, which allowed us to make a possible characterization of these examples.

We thank for the collaboration of Mr. Brad Legg from the Leggs’s Peafowl Farm, one of the biggest and more experienced peafowl breeders of the USA on the appreciation and characterization of this new variety, whose collaboration was fundamental to confirm the authenticity of these birds.

I also want to personally thank Dra. Patrícia Noronha da Costa, Zootechnic engineer, with a Phd in Molecular Biology at Universidade Nova de Lisboa and a post-Phd in Art and Science at Instituto de Tecnologia Química e Biológica, for her availability to develop the work that allowed the classification of this new variety of peafowls, regarding their color.

We keep waiting for more surprises every year we dedicate to the breeding of such birds, for what a collaboration and the help of the work made by many breeders that collaborate with Quintal Pavos for many years have been revealing extreme importance. Only this way we can achieve results as the Raw Umber and now as the Prussian Blue Peafowl.

João Nuno Carita

    26/07/2019

Origem do Pavão azul da Prussia

No ano de 2008, Cezar Gomes, médico dentista e criador de aves ornamentais, adquiriu na nossa exploração de pavões, Quintalpavos, um casal de pavões Cameo e um casal de pavões Bronze Creme, ambos com um ano de idade. Quando estas aves tinham dois anos, deu-se a coincidência de morrer um exemplar de cada casal, ficando o macho Bronze Creme e a fêmea Cameo. Isto aconteceu mesmo no início da temporada de reprodução de 2010 e nestas circunstâncias, Cezar Gomes, considerando que fenótipicamente os exemplares de cada uma das variedades, tinham algumas semelhanças na sua côr, decidiu juntar o macho Bronze Creme com a fêmea Cameo. Na Fig 1 pode ver um exemplar de macho Bronze Creme e uma fêmea Cameo.

O casal de pavões com apenas dois anos, no seu primeiro ano de criação, deu origem a três crias, um macho e duas fêmeas.

Fenótipicamente, as crias nascidas, eram semelhantes às crias de pavão azul, mas no jovem macho, Fig 2, passados dois mese de idade era evidente uma coloração mais escura em todo o pescoço, já nas fêmeas, não encontravamos caracteristicas fenotipicas que nos permitessem destinguir, de forma evidente, de uma fêmea de pavão azul. Mais uma vês, este cruzamento, permitiu-nos reforçar a certeza que a côr Bronze Creme não estáva ligada ao cromossoma sexual masculino, como nas variedades Cameo, Púrpura, Violeta e Peach, pois se assim foce todas as fêmeas nascidas, entre o macho Bronze Creme e a fêmea Cameo, teriam de ser Bronze Creme e isso não aconteceu.

À medida que as três crias foram crescendo reparou-se que, o macho apresentava uma coloração difrente de um pavão azul comum, agora não só no pescoço, mas também na cauda e asas, pronunciadamente mais escuras.

Na temporada de criação 2012 este macho, com as respectivas duas fêmeas deu origem a um macho e três femeas. O macho com dois meses, altura em que vizitei mais uma vez o Cezar Gomes já apresentava um coloração da plumagem em todo semelhante à do seu progenitor, as três fêmeas, também como as suas progenitoras eram semelhantas às fêmeas de pavão azul. Foi neste ano de 2012 que vieram os primeiros exemplares, para a nossa exploração. Uma fêmea adulta do trio original e o macho nascido em 2012.

É importante salientar que não conhecemos com claresa a origem dos pavões Bronze Creme. Até à data, não encontramos qualquer publicação sobre a origem destas aves, que há já vários anos, pelo menos desde 1998, se encontra na Europa. Os primeiros exemplares de pavão Bronze Creme chegaram a Portugal no ano 2005, trazidos por um importador de aves. Na foto da figura 3 podemos ver uma fêmea e um macho Bronze Creme. Estes exemplares apresentados na fotografia foram precisamente os primeiros trazidos para Portugal.

A única coisa que podemos confirmar, dada a nossa experiência a criar esta “variedade”, é que se trata de uma côr não ligada ao cromossoma sexual masculino.

Outra duas situações para as quais estavamos alerta eram para o facto de, sendo o primeiro exemplar desta “variedade” filho de uma fêmea Cameo, seria de esperar que este pavão

ao criar, desse também origem a fêmeas Cameo, pois a côr Camoe está ligada ao cromossoma sexual masculino e por isso, o macho deveria ter recebido este gene da sua progenitora e transmiti-lo à descendência. A outra situação, a de que este primeiro trio de pavões da “nova variedade” também desse origem a alguns exemplares Bronze Creme, pois o seu progenitor era Bronze Creme, uma côr também considerada recessiva.

Até hoje, já com 6 gerações criadas, nunca surgiram crias Bronze Creme nem Cameos do cruzamento entre Azuis da Prússia.

Na Fig 4 pode ver uma casal de pavões Azuis da Prússia com padrão de plumagem igual ao da estirpe selvagem, barrado.

O crescimento das crias têm sido acompanhado com bastante atenção. De início, também acompanhamos com alguma espectativa o crescimento da cauda do pavão nascido em 2010 que iria ficar bem mais exuberante, como é caracteristico num exemplar com três anos de idade. Na Fig 5, o primiero exemplar nascido no ano de 2012 do trio original.

Desde 2010 até 2019 continuamos a manter esta variedade que todos os anos deu exclusivamente origem a descendentes iguais aos progenitores.

Em 2014 demos início ao trabalho de introdução do padrão Asa Negra na côr Azul da Prússia. O primeiro casal Azul da Prússia Asa Negra nasceu em 2016 e iníciou a sua primeira temporada de reprodução em 2018 e pela segunda vêz este ano 2019.

Pela observação destas aves, de início pareciam-nos em algo semelhantes a uma variedade com origem nos USA, os pavões Midnight. Por esta razão, falamos com vários criadores experientes, membros da United Peafowl Association que nos confirmaram que estes exemplares, apesar de terem semelhanças aos Midnight, têm caracteristicas que os tornam distintos, o que é perfeitamente justificável, dado que têem origens completamente diferentes.

Nestas sircunstânicais sentimos a necessidade de caracterizar estes animais quanto à sua cor, para quando nos referirmos a estes pavões o fazermos de forma correta, não lhe atribuindo erradamente o nome de uma variedade a que não pertencem.

Decidimos enviar imagens e amostras de plumagem destes animais para uma especialista em cor para assim poder fazer a sua classificação. Deste trabalho, realizado pela Doutora Patrícia Noronha da Costa, resultou o nome que passamos agora a atribuir a todas as aves com estas características fenótipicas, com origem em exemplares da nossa exploração, Quintalpavos em Portugal, o Pavão Azul da Prússia.

É com muita satisfação que o Quintalpavos em colaboração aberta com todos os seus amigos continuamos a fazer o nosso trabalho, de criação e preservação das distintas variedades de pavões. Atualmente temos exemplares de pavões Azuis da Prússia distribuídos por três criadores, fundamental para a sua preservação. A introdução do gene para o padrão Asa Negra permitiu-nos também reduzir os riscos associados à consanguinidade, o que de algum modo favorece a preservação saudável destes exemplares.

Atualmente existem, no padrão selvagen, 5 machos e 4 fêmeas e no padrão Asa Negra 5 machos e 3 fêmeas. A criação de 2019 não está incluída nesta contagem.

A paixão que temos por estes animais, durante todos estes anos de dedicação, já nos permitiu participar no trabalho que deu origem à “variedade” Raw Umber que começa a ser reconhecidas a nível interbnacional e agora ao Pavão Azul da Prússia.

Agradeço ao criador Cezar Gomes por ter partilhado comigo o que aconteceu na sua criação de pavões, no ano de 2010 e que nos permitiu fazer a caracterização possível destes exemplares.

Agradecemos a colaboração do Sr. Brad Leggs da Leggs´s Peafowl Farm, um dos maiores e mais experientes criadores de pavões dos USA, na apreciação e caracterização desta nova variedade, cuja colaboração foi fundamental para confirmar a originalidade destas aves.

Quero também agradecer à Doutora Patrícia Noronha Da Costa, Engenheira Zootécnica, Doutorada em Biologia Molecular pela Universidade Nova de Lisboa e com Pos-doutoramente em Arte e Ciência no Instituto de Técnologia Química e Biológica, pela sua disponibilidade para fazer desenvolver o trabalho que permitiu a classificação da desta nova variedade de pavões quanto à sua côr.

Continuamos à procura de mais surpresas em cada ano dedicado à criação desta aves, para a qual se têm revelado de extrama importância a colaboração e o acompanhamento do trabalho feito por muitos dos criadores que colaboram com o Quintalpavos à muitos anos. Só assim podemos atingir resultados como os Raw Umber e agora o Pavão Azul da Prússia.